Menu

Esteróides Androgênicos Anabolizantes

A busca pelo corpo perfeito, aquele corpo com percentual de gordura baixo, com percentual de massa magra alto, é um desejo da grande maioria dos praticantes de musculação, crossfit e outras modalidades. No entanto, para ter um corpo similar a esse mencionado anteriormente, exige um tanto de dedicação, abdicação e disciplina. E, mesmo compartilhando desses aspectos, você ainda tem algo que dificulta: o tempo! De maneira natural, o tempo para atingir um corpo com estética perfeita demanda muito e muito tempo.

Para quem não gosta de esperar, os esteroides auxiliam nesse processo. No entanto, esse auxílio vem com muitas consequências. Veja um pouco a seguir…

Os esteroides androgênicos anabolizantes (EAA), vulgarmente conhecidos como “BOMBAS”, são caracterizados como “[…] compostos naturais ou sintéticos semelhantes ao hormônio masculino testosterona” (CARMO; FERNANDES; OLIVEIRA, 2012, p.307). Iriart e Andrade (2002) ainda ressaltam que geralmente os EAA são sintetizados em laboratório e podem incrementar a síntese proteica, a oxigenação e ampliar o armazenamento de energia, o que pode resultar em um aumento da massa muscular e da capacidade de trabalhos dos usuários.

Contudo, apesar dos EEA serem utilizados para o tratamento de diversas doenças (BASARIA; WAHLSTROM; DOBS, 2001; HARTGENS; KUIPERS, 2004), esses podem apresentam diversos efeitos colaterais, tais como:

  • Maior distorção da imagem corporal;
  • Acne;
  • Estrias;
  • Fechamento prematura das epífises;
  • Aumento no risco de desenvolvimento de lesões musculotendíneas;
  • Ginecomastia;
  • Alterações na libido;
  • Impotência;
  • Infertilidade;
  • Diminuição do número de espermatozoides (homem);
  • Atrofia testicular (homem);
  • Irregularidades menstruais (mulher);
  • Masculinização (mulher);
  • Hipertrofia do clitóris (mulher);
  • Mudanças no perfil lipídico;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Aumento da função do miocárdio;
  • Danos no fígado;
  • Depressão;
  • Alterações de humor;
  • Agressividade;

 

Além de todos os efeitos colaterais acima, Pope et al. (1996) especularam uma possível relação entre o uso de EAA e a criminalidade.

 

Referências:

IRIART, J.; ANDRADE, T. Musculação, uso de esteroides anabolizantes e percepção de risco entre jovens fisiculturistas de um bairro popular de Salvador. Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, p. 1379-87, 2002.

BASARIA, S.; WAHLSTROM, J.T.; DOBS, A.S. Anabolic-androgenic steroid therapy in the treatment of chronic diseases. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Springfield, v. 86, n.11, p.5108-5117, 2001.

HARTGENS, F.; KUIPERS, H. Effects of androgenicanabolic steroids in athletes. Sports Medicine, Auckland, v.34, n. 8, p.513-554, 2004.

 

HOFFHMAN, J. R.; RATAMESS, N.A. Medical issues associated with anabolic steroid use: are they exaggerated? Journal of Sports Science and Medicine, Bursa, v. 5, n.2, p.182-93, 2006.

 

Peluso, M.A.M et al. Alterações psiquiátricas associadas ao uso de anabolizantes. Rev Psiq Clín, v.27, n.4, p.229-36, 2000.

 

Schwerin, M.J. et al. Social physique anxiety, body esteem, and social anxiety in bodybuilders and self-reported anabolic steroid users. Addict Behav , v.21, n.1, p.1-8, 1996.

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp)
Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp) Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

No comments

Deixe uma resposta

UserOnline

SAIBA MAIS