Menu

Como aumentar o estresse metabólico na musculação?

Para responder essa pergunta irei dividir o assunto em várias partes!

  • Parte 1 – Entendendo os mecanismos!

O estresse metabólico é caracterizado como o processo fisiológico que ocorre durante o exercício físico em resposta a baixa energia, levando ao acúmulo de vários metabólitos nas células (lactato, fosfato inorgânico (Pi) e íons de hidrogênio [H+]).

É sabido que o aumento do estresse metabólico através do aumento da hidrólise do ATP e aumento da utilização da via glicolítica estimulam a liberação hormonal, AMP, hipóxia, inchaço das células e produção de espécies reativas de oxigênio (EROS). Esses fatores estão diretamente relacionados com a regulação da biogênese mitocondrial e angiogênese (formação de vasos sanguíneos). Em outras palavras, estão relacionados com a melhora na performance em exercícios de endurance (resistência).

Se tratando do Treinamento Resistido (Musculação), esse mesmo acúmulo de metabólitos, também pode proporcionar o aumento da liberação hormonal, hipóxia e inchaço celular. Tais fatores estão relacionados com a estimulação de processos hipertróficos, tais como o aumento da síntese proteica e da ativação das células satélites. Ou seja, ajuda a “ficar grande”.

Se a musculação pode proporcionar tais implicações, a correta manipulação das variáveis de treino aparece como um fator determinante do estresse metabólico!

Quer saber quais variáveis e como manipulá-las?

Fique ligado nos próximos posts!

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp)
Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp) Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

No comments

Deixe uma resposta

UserOnline

SAIBA MAIS