Menu

A suplementação de EFEDRINA faz mal?

De acordo com Forte et al. (2006) a efedrina é um alcalóide simpatomimético derivado de plantas do gênero Ephedra, que possui mais de 40 espécies distribuídas em regiões de clima temperado e subtropical. Há séculos a efedrina vem sendo utilizada com fins terapêuticos, entretanto na modernidade o seu uso tornou-se restrito devido ao perfil de segurança.

Visando um aumento na performance a suplementação a base de efedrina vem sendo utilizado por atletas de vários países. No Brasil a comercialização da efedrina é proibida, entretanto existem relatos de compra ilegal dentro de academias de ginástica e pela internet, algo que é preocupante. Tal inquietação fica evidente em um estudo realizado por Forte et al (2006) onde um rapaz de 28 anos lutador de vale tudo e usuário de um suplemento que possui efedrina, no qual utilizava para perda de peso antes das pesagens das lutas.

O produto utilizado pelo paciente descrito apresentava em sua fórmula, 250 mg de extrato de Ma huang, o que equivale em torno de 20 mg de efedrina. Entretanto a dose utilizada pelo rapaz foi de quatro comprimidos ao dia, o que é o dobro da preconizada pelo fabricante.

Toda droga é feita para um propósito específico, e com dosagens específicas conforme as necessidades dos indivíduos. O uso de tais substâncias não pode ser realizado sem as devidas necessidades, de forma desregulada e muito menos sobre o “achismo”.

Fica o alerta!

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp)
Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

João Pedro: Graduado em Educação Física / Mestrando em Ciências da Saúde (@navesjp) Ricardo Viana: Graduado em Educação Física / Doutorando em Ciências da Saúde (@prof.ricardoviana)

No comments

Deixe uma resposta

UserOnline

SAIBA MAIS